• Inncomun

Como foi o painel Elas no e-commerce: empreendedorismo e desafios



A Inncomun participou da organização do Digitalize-me Porto Alegre 2018, o evento mais relevante sobre e-commerce no Estado. Nossa diretora Nalu Dorscheid idealizou o painel Elas no e-commerce: empreendedorismo e desafios, convidou três empreendedoras de destaque e propôs o debate. O famoso foi lá e fez.


Por que discutir a participação da mulher neste mercado? Porque elas são relevantes — e cada vez mais.  Do quadro de clientes da agência, mais de 70% são liderados por mulheres, sejam líderes do negócio ou gerentes de marketing e comunicação.


O Brasil tem cerca de 5,7 milhões de empreendedoras. Número representa 8% da população feminina do país (confira mais dados no infográfico abaixo!).  Longe de ser uma roda de conversa sobre “assuntos de mulherzinha”, o Elas no E-commerce foi um debate de opinião que reuniu empreendedoras fodas (!) e com negócios significativos. Embora a gente já saiba que competência e trabalho não tem nada a ver com gênero, a representatividade feminina é um tópico em alta e fez muito sentido dentro de um evento que debate futuro, mercado de trabalho, novos negócios e tecnologia.


O Elas no e-commerce reuniu três trouxe três participantes com experiências bem diferentes em e-commerce e negócios digitais para uma conversa. Em comum, elas seguiram o lema “vai lá e faz”.

Natália Pegoraro, co-fundadora d’O Amor É simples, Ana Gehring, fisoterapeuta pélvica e gerenciadora do perfil de sucesso @vaginasemneura, e Bruna Drumm, fundadora da Eixo Concept falaram de iniciativa e mercado voltado para o público feminino.




A criação do e-commerce O Amor É Simples surgiu a partir da experiência de Natália, que viu uma oportunidade de negócios ao planejar o próprio casamento: “Eu não queria um festa cara. Tinha certeza que se colocasse vestido simples no Google, ia encontrar uma opção, mas não tinha”. Segundo a empreendedora, a lacuna despertou a ideia que esse era uma mercado em potencial, já que muitas noivas estão apostando em cerimônias mais intimistas, sem gastos exorbitantes.  “O mercado te convence de que se você não gastar R$ 100 mil no casamento não vale. Muitos fornecedores tratam mal as clientes que preferem economizar na festa”, critica Natália.


Com mais de 138 mil seguidores e 5 milhões de visualizações semanais, o instagram @vaginasemneura foi um divisor de águas na carreira de Ana Gehring. O perfil trata de saúde e sexualidade da mulher com uma linguagem acessível e de interação constante com as seguidoras. Ana comenta que muitas pessoas deixam de seguir o perfil, pois estranham o nome, mas, por outro lado, as mulheres interessadas em se conhecer melhor tornam-se clientes satisfeitas. Ana já desenvolveu hidratantes vaginais, objetos para fortalecer a musculatura e até tentou um e-commerce, mas no momento se concentra nos produtos e cursos online. “Gravei quatro horas de curso e faturei  R$ 230 mil”, conta a empreendedora. “Eu nunca ia faturar o mesmo apenas como fisioterapeuta,” relata. 



O Outro caso de sucesso do empreendedorismo feminino é a Eixo Concept, e-commerce de design, que comercializa moda, acessórios e decoração. A fundadora Bruna Drumm contou que a venda das roupas está muito ligada à confiança e personalização dos pedidos. “Hoje uma menina me mandou um e-mail sobre um vestido, falando as medidas dela. Eu  respondi com foto no meu corpo para ela poder comparar. Em seguida, ela finalizou a compra”, comemora.


O painel Elas no e-commerce encerrou o Digitalize-me 2018. Além dos painéis que abordaram todas as etapas para efetivação e sucesso de vendas e estratégia, o evento promoveu networking entre os convidados a palestrar e o público inscrito. O Digitalize-me foi organizado pela ABCOMM.

12 visualizações0 comentário